0 Comentários
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Por: /

Simples Nacional: saiba quais impostos fazem parte desse sistema

As micros e pequenas empresas estão amparadas pela lei para pagar impostos em um sistema especial, chamado Simples Nacional.

Nesse regime, as empresas que possuem faturamento inferior a R$ 4,8 milhões por ano podem recolher 8 impostos em um só documento: o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), emitido mensalmente. Antes do Simples, esses tributos deveriam ser pagos em datas diferentes e com guias separadas, tornando o pagamento muito mais trabalhoso.

É importante destacar que, apesar de ser pago em uma guia única, o Simples Nacional não tem valores fixos. As alíquotas variam de acordo com a atividade desempenhada pela empresa (fábricas, comércios, etc.) e com a faixa de faturamento do negócio.

Além da facilidade de pagamento, esse sistema tem outra grande vantagem: a tributação é menor se comparada à dos regimes de lucro real ou lucro presumido, o que pode fazer a diferença para as finanças da empresa.

Quem pode optar pelo Simples Nacional?

Apenas micros e pequenas empresas e microempreendedor individual podem optar por essa tributação.

Atualmente, é considerada uma microempresa aquela que tem um faturamento de, no máximo, R$ 360 mil por ano. A pequena empresa, por sua vez, deve faturar anualmente, no máximo, R$ 4.800.000. No caso do MEI, o faturamento para participar desse programa não pode ser superior a R$ 81 mil anuais.

Além disso, o empreendimento não pode ter débitos em aberto com o governo e deve se enquadrar nas atividades descritas na tabela do Simples Nacional.

 Quem não pode optar pelo Simples Nacional?

Algumas empresas são proibidas de participar desse regime de tributação:

  • Pessoas jurídicas que constituem cooperativas (com exceção de cooperativas voltadas para consumo);
  • Empresas que têm a maior ou menor parte do capital formado por outras pessoas jurídicas;
  • Pessoas jurídicas nas quais o sócio ou dirigente tenha participação em outra empresa, com fins lucrativos e com renda mensal bruta que ultrapasse o limite aceito pelo programa;
  • Sucursais ou filiais de empresas que tenham sede no exterior;
  • Empreendimentos nos quais o sócio mora fora do país;
  • Negócios com capital proveniente de empresa pública, seja ele da esfera federal, estadual ou municipal;
  • Negócios que atuem na terceirização de mão de obra;
  • Empresas que produzem e comercializam cigarros e bebidas alcoólicas por atacado.

Quais impostos fazem parte do Simples Nacional?

Como nós já falamos por aqui, o Simples Nacional unifica 8 impostos de abrangência federal, estadual e municipal que, desde 2006, podem ser arrecadados a partir de uma mesma guia, o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Confira quais são:

  • Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): calculado de acordo com o modelo de tributação da empresa.
  • Contribuição Social sobre o Faturamento (COFINS): incide sobre a receita ou o faturamento e financia a Seguridade Social.
  • Contribuição para o Programa de Integração Social (PIS): subsidia os direitos dos trabalhadores e é calculado da mesma forma que o COFINS.
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL): calculado conforme o regime de tributação adotado.
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI): exigido apenas das indústrias, incide sobre cada item produzido.
  • Contribuição Patronal Previdenciária (CPP): recai sobre o faturamento e varia conforme a categoria da empresa.
  • Imposto sobre Serviços (ISS): recolhido pelo município, considerando o preço do serviço prestado.
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS): incide sobre cada operação e a porcentagem é estipulada por cada estado.

Vale observar que o ICMS possui um diferencial dos outros impostos em que o limite do faturamento é menor do que os R$ 4.800.000,00 de acordo com cada estado. E caso a empresa ultrapasse este limite ela continua recolhendo todos os outros impostos dentro do Simples Nacional mas começa a recolher o ICMS pelo regime normal de acordo com as regras de cada estado.

Como a minha empresa pode aderir ao Simples?

Se o seu negócio está dentro das exigências e quer aderir a esse regime, fique atento aos prazos. No caso de empresas já existentes, a adesão pode ser feita apenas no mês de janeiro, pelo site do Simples Nacional.

Empreendimentos em início de atividade devem realizar esse processo até 30 dias após ter feito a inscrição no CNPJ e obtido os registros estadual e municipal. Após esse período, vale a mesma regra dos empreendimentos já existentes.

Como você pôde acompanhar, manter a empresa de acordo com a legislação se tornou menos burocrático desde a implementação do regime tributário simplificado. Mas, apesar de mais simples, é muito importante ter conhecimento sobre os tributos pagos, evitando pendências fiscais que podem gerar multas e causar vários prejuízos à empresa.

Se você tiver alguma dúvida, procure ajuda de um profissional habilitado e que possa ajudar a fazer o controle e o pagamento correto dos impostos.

Gostou do post? Então não deixe de assinar nossa newsletter para receber mais novidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.