0 Comentários
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Por: /

Guia rápido de gestão financeira: entenda os principais termos

A gestão financeira é a organização e o gerenciamento de todos os recursos que entram e saem de um negócio. Por meio dela são extraídos relatórios que contêm informações importantes como o volume de receitas e despesas, a necessidade de capital de giro, o lucro operacional e líquido, entre outras.

Como algumas pessoas ainda têm muitas dúvidas sobre os conceitos que envolvem essa atividade, resolvemos escrever este artigo para esclarecer os principais. Confira!

A importância de conhecer os conceitos da gestão financeira

A gestão financeira empresarial é uma atividade realizada pelo departamento financeiro, mas que serve a todos os setores de um negócio. Ela funciona basicamente como o cérebro de um corpo humano, que gerencia todas as funções e as mantêm em perfeito e harmonioso estado de funcionamento.

Portanto, caso ela seja gerenciada de forma equivocada, todas as outras funções de um negócio podem ser prejudicadas. Assim, conhecer os significados dos termos que envolvem essa atividade tão importante é o primeiro passo para alcançar uma gestão financeira eficiente e que proporcione resultados positivos para a empresa.

A fim de realizar essa tarefa com maestria, confira as 7 terminologias mais utilizadas na gestão financeira e suas respectivas definições.

Os 7 termos mais importantes da gestão financeira

1. Capital de giro

O capital de giro é o montante de recursos financeiros que sua empresa necessita para garantir a sua perfeita operação. Em outras palavras, podemos defini-lo como o dinheiro que faz a empresa girar — como o próprio nome sugere.

Trata-se dos recursos essenciais para adquirir insumos essenciais à produção, mercadorias para revenda ou itens necessários para a prestação de serviços. Sem esses valores, uma empresa dificilmente conseguirá sobreviver.

É muito comum encontrarmos gestores que vivem correndo atrás de dinheiro com terceiros para operacionalizar sua atividade. O que ocorre nesses casos é uma clara falta de gestão do capital de giro na empresa.

2. Ponto de equilíbrio do fluxo de caixa

O ponto de equilíbrio é definido por muitos financistas como um medidor de segurança para o setor financeiro da empresa. Ele mostra a quantidade de vendas necessárias para que as despesas sejam pagas e, assim, o negócio possa continuar operando.

Nesse contexto, podemos afirmar que o ponto de equilíbrio do fluxo de caixa é o marco zero. A empresa não tem lucro nem prejuízo, porém, caso ele seja inferior ao desejado, isso significa que os recursos não são capazes de pagar as despesas. Se for superior, podemos afirmar que a empresa está logrando resultados positivos em suas operações.

3. Liquidez

A liquidez é a capacidade que um ativo tem de se transformar em dinheiro sem perdas de valor significativo. Ela também pode ser entendida como a agilidade com que um investidor consegue vender determinada aplicação financeira sem que ela se desvalorize.

No entanto, além do investimento, também temos outros ativos que podem ser considerados de alta liquidez, como os estoques e os pagamentos a receber.

A contabilidade da empresa registra esses valores nas contas do Ativo Circulante, que tem como principal característica a rápida transformação de bens disponíveis em recursos financeiros reais — ou seja, dinheiro em espécie.

4. Lucro operacional e líquido

O lucro de uma empresa é dividido em duas partes.

O primeiro é o operacional, que trata basicamente do resultado auferido pela atividade-fim da empresa (receita – custos de vendas, produção ou prestação de serviços), antes da incidência da tributação do Imposto de Renda, Contribuição Social e outras despesas que não fazem parte da operação do negócio.

O lucro líquido é a representação do resultado efetivo da empresa — ou seja, basicamente é o que sobra após o pagamento de todas as despesas que possam ter ocorrido no processo, sejam elas operacionais ou administrativas.

5. Planejamento estratégico

O planejamento estratégico é um procedimento que visa orientar o futuro financeiro de um negócio, fazendo com que os gestores pensem sempre no longo prazo. Esse processo visa responder a 3 questões básicas no âmbito empresarial.

  • Onde estamos?
  • Para onde queremos ir?
  • O que deve ser feito para chegar lá?

Respondendo a essas questões, o setor financeiro identificará a real situação da empresa e traçará um conjunto de objetivos e metas que devem ser cumpridos para, assim, criar um planejamento estratégico.

Esse processo também pode servir para prever acontecimentos de modo a diminuir os riscos com algum imprevisto. É bom ter em mente que isso não faz com que o departamento financeiro evite todo e qualquer tipo de problema futuro — no entanto, pode proporcionar certo grau de segurança.

6. Gestão orçamentária

A gestão orçamentária é a ferramenta administrativa que fará o acompanhamento do planejamento estratégico, definido no item anterior. Por meio dela são realizadas as análises necessárias para manter a empresa no rumo das estratégias traçadas. Além de obter feedbacks sobre o efetivo andamento das metas e dos objetivos.

Ao contrário do planejamento estratégico, que é realizado em uma data presente, mas com efeitos projetados no futuro, a gestão orçamentária é a análise e o gerenciamento em tempo real dos acontecimentos que impactam diretamente nas finanças do negócio — e, consequentemente, em seus planos.

7. Análise econômico-financeira

A análise econômico-financeira envolve o estudo dos indicadores importantes para refletir a capacidade que o setor financeiro possui de pagar suas contas de curto, médio e longo prazo — consequentemente, ela mede o grau de endividamento do negócio.

Basicamente, trata-se da análise dos seguintes índices contábeis:

  • Índice de Liquidez Geral (ILG);
  • Índice de Liquidez Corrente (ILC);
  • Índice de Liquidez Seca (ILS);
  • Grau de Endividamento (GE);
  • Composição do endividamento.

Cada indicador tem características distintas. Portanto, é fundamental que essa análise seja feita com o auxílio do contador da sua empresa — esse profissional é especialista em mostrar o significado de cada número obtido pelos cálculos contábeis.

Conhecer os conceitos da gestão financeira é de extrema importância. Com esse conhecimento em mãos, busque aplicar cada um deles no negócio que você gerencia e comece a analisar os resultados que cada uma dessas ferramentas pode proporcionar à saúde financeira da sua empresa.

Gostou deste artigo sobre os principais termos utilizados na gestão financeira? Uma outra dica, muito importante, é fazer a avaliação do regime tributário escolhida para sua empresa. Talvez ele não seja a melhor opção. Leia e saiba mais em nosso guia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.